Arquiteto chileno vence Pritzker Prize 2016

Prêmio, considerado o Nobel de arquitetura, foi para Alejandro Aravena, um visionário da habitação social

Quarta, 13 de janeiro de 2016
Diferente do ano passado, que o Pritzker Prize – maior prêmio da arquitetura mundial - foi destinado a um integrante da velha guarda e homenageou postumamente o arquiteto alemão Frei Otto, a edição 2016 premiou a inovação de Alejandro Aravena. Com 48 anos de idade, o chileno cria projetos que reinventam a habitação de baixo custo e conseguem envolver os moradores na concepção de suas próprias casas. Desta forma ele conquistou o prêmio, geralmente concedido a arquitetos de longas carreiras, cujos projetos englobam grandes monumentos culturais.


Monterrey Housing - Foto Ramiro Ramirez

Aravena tem uma arquitetura prática, que chamou a atenção internacional em 2004 com um projeto que redefiniu a economia da habitação social. O desafio era para realojar 100 famílias que se instalaram ilegalmente em meio hectare de terra no centro de Iquique, no norte do Chile. O subsídio oferecido pelo governo - cerca de US$700 – era insuficiente para comprar o terreno e construir novas casas. A solução usual teria sido realocar os moradores de subúrbios mais afastados. Porém essa não foi a saída obtida pelo arquiteto, que construiu uma boa metade de casa e deixou o restante a cargo dos próprios moradores.


Quinta Monroy Housing - Foto: Cristobal Palma
O esquema foi projetado para aproveitar ao máximo um orçamento minúsculo, construindo a estrutura e os espaços essenciais para cada casa – cozinha, banheiro e um telhado - deixando o restante para as famílias preenchessem as lacunas e carimbassem a sua própria identidade em suas casas no decorrer do processo e de acordo com suas próprias necessidades e meios financeiros. O resultado foi um grito longe das lajes tradicionais de blocos de habitação social nas proximidades. O valor das propriedades, desde então, aumentou cinco vezes, enquanto o modelo foi implementado em diferentes formas em outros locais do Chile e no México, envolvendo 2.500 casas.


Quinta Monroy Housing - Foto: Cristobal Palma

É a segunda vez em três anos que o júri Pritzker escolheu um arquiteto que é mais conhecido para o projeto humanitário. Em 2014, o vencedor foi o arquiteto japonês Shigeru Ban, que é altamente respeitado por seu uso pioneiro de papelão em projetos de ajuda humanitária em todo o mundo.

Aravena será o ganhador número 41 do Prêmio Pritzker e vai receber um subsídio de US $ 100.000 e uma medalha de bronze durante uma cerimônia na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, no dia 4 de Abril.


Veja mais alguns projetos do arquiteto:


Siamese Towers - Foto: Cristobal Palma


Innovation Center - Foto: Nina Vidic


Bicentennial Childrens Park - Foto: Cristobal Palma


St.Edwards University - Foto: Cristobal Palma

COMENTÁRIOS

Marìa Guerrero 16/01/2016 23h57

excelente premio a un joven arquitecto por su importante aporte a lo social que debeser nuestra BELLA ARQUITECTURA.

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.