Contra cultura no Deserto

Anualmente uma cidade temporária onde tudo é permitido toma forma em Black Rock City

Terça, 20 de outubro de 2015

A vivência no mundo moderno exige cada vez mais do ser humano.  Um misto de contos de naufrágios, aventureiros e um mundo quase que pós-apocalíptico foi a resposta que Larry Harvey e Jerry James, fundadores do Burning Man encontraram para fugir, mesmo que temporariamente, do consumismo.



Nascido em junho de 1986, o Burning Man é um festival de artes públicas realizada todo mês de agosto no deserto de Black Rock City, em Nevada. O evento, que na sua última edição reuniu mais de 70.000 pessoas, consiste em uma cruzada no deserto desprovido de água, alimentos ou eletricidade.

Black Rock City 
 
Uma cidade inteira é formada pelo público: uma mistura de artistas, mochileiros, turistas estrangeiros, inventores e amantes da tecnologia se reúnem com um único objetivo. As esculturas, que são produzidas também pelo público trazem consigo um questionamento sobre a transformação das criações em commodities. As esculturas feitas durante o festival são queimadas ao fim do mesmo, obedecendo à política do festival, a qual prega o desapego.

Escultura "Embrace" da edição de 2014 

O conceito de arte efêmera é levado bem a sério no Burning Man. O desapego de tudo que é material, de se deixar livre para continuar criando, sem ficar preso pelo que já passou. Obras de arte com proporções gigantescas que foram planejadas e construídas no decorrer de um ano inteiro são queimadas no final.




A primeira edição do festival aconteceu no solstício de verão de 86, onde alguns amigos queimaram uma escultura de madeira de um homem com quase 3 metros de altura, que simbolizou uma “auto-expressão radical”, desde então o tamanho das esculturas vem só aumentando e o número de pessoas também.







A ECONOMIA

Uma das características exclusivas do Burning Man, em comparação a outros grandes festivais, é a sua economia. Nada se encontra à venda, com a exceção de gelo e café. Tudo o resto é dado livremente como presente. Andando pela cidade você pode receber uma gama de presentes que variam de uma massagem no pescoço até uma aula de ioga.
O que parece uma receita para o caos traz um resultado surpreendente. Diferentemente da maioria dos festivais, não há espectadores: todo mundo fica envolvido, seja por levar a arte, a execução de um bar gratuito ou cozinhar para seus companheiros de acampamento. Há uma falta total de comercialização - todos os logotipos em carros, por exemplo, devem ser cobertos, e você não pode comprar nada lá: os hóspedes têm de trazer todos os suprimentos de que necessitam para durar a semana, e, como resultado, muitas pessoas se reúnem juntos em campos temáticos por eles elaborados.



A subtração do dinheiro das interações sociais é um dos principais contribuintes para o espírito de generosidade que permeia a atmosfera.  Uma vez que nada está a venda no Burning Man, as interações humanas ocorrem em mercados sociais, onde a partilha e carinho regram o dia.



A REGRA DE OURO

A cultura da generosidade que define Burning Man não vem do nada, como alguns imaginam. Os participantes são convidados a seguir os Dez Princípios, um código de conduta que inclui gifting, esforço comunal e responsabilidade cívica. Essas diretrizes são publicadas no programa do festival e reiteradas em anúncios de serviço público, como os feitos pela rádio do festival.
Em Black Rock City, o fluxo constante do dom de dar não só garantiu que os outros cooperem entre si, mas também motiva a passar esses favores para frente, o que é conhecido como reciprocidade generalizada.
A estrutura social do Burning Man, onde todos devem trabalhar juntos para se manterem no deserto, ainda conta com uma máxima: o ‘leave no trace’ – ou em bom português ‘não deixar nenhum rastro’. 

COMENTÁRIOS

Seja o primeiro a comentar!

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.