MARINA ABRAMOVIĆ NO BRASIL

O silêncio é a matéria prima para a leitura da arte de viver pela ótica da grande performer Marina Abramović, de volta ao Brasil este ano.

Quinta, 12 de março de 2015
Fonte: art21.org
 
Um convite à experimentação. Esta é a chave da arte contemporânea e arrebatadora de Marina Abramović (68). A artista plástica sérvia é o maior ícone vivo da performance moderna e está de volta ao Brasil, onde inaugura a maior mostra de sua autoria na América do Sul. A Terra Comunal vai estar aberta no Sesc Pompéia em São Paulo entre os dias 10 de março e 10 de maio e promete “transformar vidas”, segundo definição da autora sobre o tipo de arte que realiza.

Em seus 40 anos de carreira, a performer percebeu que seu instrumento de arte seria o próprio corpo. Explorando seus limites, Marina desenvolveu pesquisa por um ano em uma tribo aborígene na Austrália, sem nenhum dinheiro; visitou a Indonésia para entender as pessoas que andam sobre o fogo e passou 25 anos trabalhando com os monges tibetanos. A imersão em florestas, inclusive entre tribos indígenas brasileiras, levou a artista plástica a desenvolver um método onde a matéria prima principal é o silêncio. Por meio dele, Abramović convida o espectador ao autoconhecimento e empoderamento do próprio corpo e mente.
 
 Crystal Cinema
Fonte: http://brasileiros.com.br/
 
A mostra “The Artist is Present” deu uma prévia da dinâmica e ficou popularmente conhecida no mundo inteiro por uma atuação específica no Museu de Arte Moderna de Nova York, MoMA, em 2010, quando ao apresentar o espetáculo, reencontrou o antigo amor, Ullay (Uwe Laysiepen). O momento foi poético e rende réplicas em sites de notícias e arte, até hoje. Na época, chegou a ser notícia para nós, no Anual Design (http://www.anualdesign.com.br/blog/2435/emocionante-reencontro/ )

Na exposição “A artista está presente” - em tradução livre - o espectador se encontra em um espaço amplo e iluminado onde Marina se coloca sentada no lado oposto de uma pequena mesa. Quem escolhe se sentar em sua frente, pode contemplar as reações que o olhar da artista provoca. Ela - geralmente impassível - se emocionou ao ver Ullay e fez muita gente chorar, dado o teor do reencontro. Ambos moraram 5 anos juntos e tiveram uma despedida dramática, quando se encontraram em uma performance na Muralha da China, onde cada um veio de um extremo para se encontrar com o outro e se despedir do relacionamento. Separaram-se definitivamente, e se viram novamente apenas 23 anos depois, na exposição do MoMA em 2010, emocionando multidões mundo afora.
 

Reencontro Marina e Ullay
Fonte: http://www.tecnoartenews.com/
 
Desta vez, no Brasil, Marina não ministra o método ao vivo, mas aparece em monitores diante dos participantes e apresenta os princípios básicos do conjunto de técnicas que desenvolveu em décadas de pesquisa. Enquanto isso, a colaboradora Lynsey Peisinger faz os movimentos propostos. A dinâmica criada por ela exige duas horas e meia dos participantes e tem o objetivo de despertar a introspecção e a concentração. Durante o processo, são sugeridos exercícios que ampliam os sentidos e os limites da consciência e do corpo. A partir da atividade interativa, os espectadores são convidados a apreciar melhor as obras e as performances de Terra Comunal - exposição baseada na carreira da artista, instalada no Sesc Pompéia.

Terra Comunal  vai apresentar uma seleção de obras feitas por Jochen Volz (curador-chefe da Serpentine Galleries de Londres) e assistência de Catarina Duncan e Sidney Russell. Reúne três instalações de imersão que lembram momentos decisivos na produção e na carreira da performer. Dez vídeos de performances que traçam a trajetória artística de Abramović e os Objetos Transitórios para Uso Humano - esculturas desenvolvidas em conjunto com as quais o público pode interagir, geralmente feitas com cristais posicionados para apontar em direção aos pontos chakras dos espectadores - também integram a mostra.


Objetos Transitórios para Uso Humano
Fonte: ffw.com.br

A outra parte do evento traz uma coletânea das obras produzidas pelo seu instituto. Com curadoria de Marina Abramović e das artistas Paula Garcia e Lynsey Peisinger, a programação apresenta encontros com a própria Marina, performances de oito artistas brasileiros, além de um espaço para experimentação e colaboração. O público pode assistir novas performances de Lynsey Peisinger e ver trabalhos antigos de Abramović por Andrea Boller, durante a exposição.


Fonte: ffw.com.br

O encontro com o silêncio é uma grande oportunidade na rotina caótica de grandes cidades, como é o caso da cosmopolita capital paulista. Os exercícios propostos na mostra, desde os mais simples como andar em slow motion - nem tão simples assim - ou olhar para uma parede branca sem perder o foco no momento, no “aqui e agora”; são práticas conhecidas pelos que se aventuram para dentro de si mesmos por meio de exercícios de meditação e yoga.

O convite, a experiência, a mostra, ou qualquer título que receba a imprevisível arte de Abramović, oferece uma passagem para o universo particular de cada um. Únicos que somos, perdemos o caminho de nós mesmos, imersos no ruído estrambólico da produtividade. Marina convida, com sinceridade e simplicidade, cada ser a se humanizar. Mais do que curiosa, a mostra Terra Comunal é enigmática. Um desafio que só pode compreender quem vive. O convite? Experimente-se!



Confession
Fonte: http://brasileiros.com.br/

COMENTÁRIOS

Seja o primeiro a comentar!

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.