A INCRÍVEL TRAJETÓRIA DE FRANCISCO FANUCCI E MARCELO FERRAZ

Com mais de 35 anos de história, obras dos arquitetos são destaque internacional, premiadas em diversos países.

Terça, 23 de fevereiro de 2016

Os arquitetos Francisco Fanucci (esquerda) e Marcelo Ferraz (direita) são sócios-fundadores do escritório Brasil Arquitetura e da Marcenaria Baraúna.

Quando duas grandes mentes firmam parceria, os frutos dessa junção possuem sempre um diferencial. Aliar a determinação de um, com a perseverança do outro, unindo também todas as outras qualidades que partilham em comum, é mais um resultado dessa fusão. E este tem sido o caso do escritório Brasil Arquitetura, sociedade formada em 1979 entre os arquitetos Marcelo Carvalho Ferraz e Francisco de Paiva Fanucci. Hoje, o escritório tem projeção internacional, uma vez que assina projetos no Brasil e no mundo todo, sendo vários deles premiados. Os dois profissionais são formados em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (Francisco graduado em 1977 e Marcelo em 1978).

Fachada do escritório da dupla, o Brasil Arquitetura, localizado na Vila Madalena, na capital paulista.

Francisco Fanucci nasceu em 1952, em Cambuí, no interior de Minas Gerais. Antes da sociedade, trabalhou com alguns nomes da arquitetura paulista, como Júlio Roberto Katinsky (atualmente professor-doutor da USP e membro do corpo editorial da mesma instituição), Joaquim Guedes (primeiro professor titular graduado pela própria Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP) e  Abrahão Sanovicz. Depois disso, e após fundada a Brasil Arquitetura, Fanucci participou da equipe da arquiteta Lina Bo Bardi no Concurso Público Nacional de Projetos de Reurbanização do Vale do Anhangabaú, em São Paulo, adquirindo bastante experiência.

Traços de Lina Bo Bardi no projeto de reurbanização do Vale do Anhangabaú, em São Paulo, no qual colaborou, dentre outros arquitetos, Francisco Fanucci.

O profissional recebeu diversos prêmios no Brasil e no mundo. A título de exemplo, foi contemplado com a premiação na II Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo com o projeto Fábrica Grisbi Nordeste S/A, assinado pela Brasil Arquitetura, e também com o 1º lugar no concurso internacional do projeto para recaracterização do Bairro Amarelo, em Hellersdorf, em Berlim.

Vista panorâmica do Bairro Amarelo, em Hellersdorf, na capital alemã. O projeto de recaracterização é assinado pelo arquiteto Francisco Fanucci. A obra rendeu prêmio ao profissional.

Além disso, teve seu trabalho divulgado em mostras e exposições diversas. Mesmo com a atribulada vida, o profissional ainda tem fôlego para continuar tocando projetos na Brasil Arquitetura e reserva um espaço para exercer a profissão de professor, como seus antigos mestres sempre fizeram. Hoje é titular da Escola da Cidade e também arquiteto de movelaria na Marcenaria Baraúna, projeto parelelo que nasceu como uma extensão da sociedade com Marcelo Ferraz.

Nascido em Carmo de Minas, interior de Minas Gerais, Marcelo Ferraz veio ao mundo em 1955. Pouco antes de se graduar, estagiou com a renomada arquiteta Lina Bo Bardi num de seus grandes projetos, o SESC Pompéia, em São Paulo. Após a conclusão do curso, Ferraz teve a oportunidade de ser parceiro de Bo Bardi em todos seus projetos posteriores, até o ano de 1992, quando a arquiteta faleceu.

Nesta foto, do acervo pessoal de Marcelo Ferraz, o arquiteto e Lina Bo Bardi participam de reunião no SESC Pompéia. Para saber um pouco mais deste projeto incrível, clique aqui!

Ferraz trilhou um caminho bem bonito, conquistando vários prêmios ao longo de sua carreira, como 1º lugar no concurso de projetos para o Paço Municipal de Cambuí, no seu estado natal, em equipe formada com os arquitetos José Sales Costa Filho, Marcelo Suzuki e Tâmara Roman, e o 1º lugar no concurso de projetos para a Faculdade de Odontologia da Universidade Braz Cubas, em Mogi das Cruzes, São Paulo, com o arquitetos (e sócio) Francisco Fanucci e Guilherme Paoliello.

Projeto idealizado por Marcelo Ferraz, Francisco Fanucci e Guilherme Paoliello, e que ganhou o primeiro lugar do concurso realizado pela Faculdade de Odontologia Braz Cubas, em Mogi das Cruzes, São Paulo. 

Marcelo foi também conselheiro do Instituto Quadrante (atualmente Instituto Lina Bo e P.M. Bardi), a convite do casal Bardi. Entre1993 e 2000, concebeu e coordenou o grande “Projeto Lina Bo Bardi”, livro-documentário em videotape, que também contou com exposição sobre a vida e obra da arquiteta. Com a obra, o arquiteto ganhou inúmeros prêmios, como o Excelência Gráfica, em 1993, pela Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica, e Melhor Livro de Arquitetura de 1994, na IX Bienal de Arquitetura do Equador. Hoje, é também professor na Escola da Cidade e desenha móveis para a Marcenaria Baraúna, projeto-extensão do Brasil Arquitetura, outra parceria com seu sócio Francisco Fanucci.


O Museu do Pão, situado no centro de Ilópolis, uma pequena cidade no Rio Grande do Sul, recebeu projeto de restauração e ampliação da Brasil Arquitetura. Para saber um pouco mais do projeto, clique aqui!

A Marcenaria Baraúna nasceu em 1986, quando os arquitetos já desfrutavam de uma boa experiência arquitetônica. Dessa forma, abriram um caminho novo, e conseguiram atender à uma demanda forte: executar projetos de mobiliário em marcenária própria da dupla.  O intuito dos profissionais não era “meramente projetar móveis”, como eles bem frisam, mas acompanhar a execução, experimentar diferentes soluções, tipos de encaixe e acabamentos em mobiliário e objetos de madeira pura. Assim, conseguiram manter a arquitetura neste novo projeto do início ao fim, uma vez que tinham que projetar tudo do começo ao fim.


Neste projeto, todo o mobiliário de madeira foi desenhado e fabricado pela Marcenaria Baraúna, projeto de extensão da Brasil Arquitetura, dos arquitetos Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci.

O mobiliário produzido pela empresa busca inspiração na história colonial brasileira, na experiência vernacular, e também nos pioneiros modernos nacionais e internacionais. Quanto ao termo “designer”, os arquitetos são bem contundentes, e afirmam que não se denominam de tal forma por acreditarem que a palavra, de origem inglesa, está repleta de outros significados naquele idioma, e um pouco banalizado no Brasil. Assim, Marcelo e Francisco gostam de serem chamados de arquitetos que projetam móveis.

COMENTÁRIOS

Equipe Anual Design 01/04/2017 09h05

boa tarde Alexandre Lopez Nós da ANUAL DESIGN publicamos normalmente qualquer comentário crítico desde que não seja ofensivo, e defenda algum ponto de vista válido o que é seu caso. A propósito : Temos materiais comerciais sobre produtos ( publieditoriais ) e portifólios de arquitetos publicados em nossos anuários, negociados com os escritórios de arquiteturas, que passam por uma previa seleção do nosso editor, a exemplo que ocorre com outras publicações do nosso segmento . Neste caso especifico, foi uma matéria,publicada há mais de um ano, sem nenhum vinculo comercial, ressaltando a qualidade do portifólio do escritório em questão. Na época, nem se ventilava as questões que hoje estão na mídia. Por uma questão de posicionamento de conteúdo e transparência , vamos manter a matéria, e publicamos seu comentário na integra . Aproveitamos para agradecer sua colaboração, que de certa forma atualizou o nosso conteúdo publicado .

Alexandre Lopez 16/03/2017 17h24

-pelo que vejo, comentario que nao é baba ovo vcs nao publicam, censuram... vamos parar de proteger e fazer propaganda gratuita de gente corrupta? (espero que nao seja materia paga) A qualidade da obra nao invalida o fato de esses dois arquitetos e seus associados (apiacas arquitetos) terem se lambuzado fortemente com corrupçao e desvio de dinheiro publico. Para quem, como eu, que sempre admirou a obra deles, e como colega de profissao, foi realmente INCRIVEL saber pelos jornais que o chico fanucci foi PRESO por conta de seus atos ilicitos, e seus socios e associados estao sob investigaçao da POLICIA FEDERAL, suas contas e bens bloqueados... incrivel mesmo essa trajetoria. dêm uma olhada no documento pdf que envio em anexo, o processo de justiça detalha a atuaçao desses santos de pau-oco... que tal as midias especializadas em arquitetura começaram a tocar na ferida da etica na pratica da profissao de arquiteto? esses dois estao desonrando a classe, nao precisavam montar esquema de corrupçao para desviar dinheiro publico. Que vergonha, hein, marcelo? será que vc precisava disso? http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/wp-content/uploads/sites/41/2016/12/PEDIDO-PT-MCC-BA.pdf.pdf

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.