OS CONFORTÁVEIS TELHADOS VERDES

Em sua nova coluna, o arquiteto Roberto Steneri fala sobre os benefícios deste tipo de construção.

Terça, 12 de agosto de 2014
Que tal tomar um champange nesta espreguiçadeira olhando à baia do Rio Hudson e a Estatua da Liberdade em Nova York? Este aconchegante telhado verde pertence ao prédio The Visionaire, projeto do escritório Pelli-Clarke-Pelli.



Também no Fairmont Waterfront Hotel em Vancouver, Canadá, no seu telhado são cultivadas ervas, legumes e flores. Com isso, a cozinha pode poupar até USD$ 30.000 ao ano com as compras de produtos.



O conceito dos telhados verdes é bem antigo. Há 2.500 anos, a Babilônia era famosa pelos seus jardins suspensos. Mas do que falamos quando pensamos num telhado verde? Um telhado verde é aquele que tem elementos vegetais vivos incorporados no sistema global do telhado - é outro sistema formado de diversas capas que cumprem diversas funçoes. Por isso, um telhado com vasos e plantas não pode ser considerado um telhado verde.



Estes maravilhosos telhados servem na luta contra o fenômeno da “ilha de calor” nas cidades. Pelo processo de evapotranspiração as plantas usam a energia calórica para evaporar a água, e com isso são capazes de esfriar os prédios no verão, num processo similar ao que acontece no corpo humano. Nós podemos esverdear as nossas cidades plantando árvores tal e como fez Curitiba, a Meca verde da América, ou com telhados vegetais: eles vêm a repor o verde que foi destruído com a construção das edificações e o alargamento das ruas.



Esta volta do homem à natureza ainda tem vantagens psicológicas se forem desenvolvidas atividades de lazer ou de trabalho com vista ao verde, pois diminuem o estresse e podem aumentar a produtividade dos funcionários. Aliás, contribuem à conservação da biodiversidade, toda vez que um telhado verde pode ser o refúgio de insetos como as abelhas e os pássaros.
Historicamente os telhados verdes foram usados para evitar a passagem de calor, como vemos neste exemplo nos países escandinavos. 



No verão a temperatura dum telhado comum pode ultrapassar os 60 ºC, enquanto num telhado simples de grama sua temperatura não vai chegar aos 25ºC. Assim estamos poupando a energia e o dinheiro com as despesas em climatização. Também contribuem para melhorar a qualidade do ar, pois pela fotossíntese as plantas convertem o CO² em oxigênio, produzindo o necessário para o homem. Ainda estes telhados são capazes de filtrar o ar das nossas cidades, capturar pó e as partículas suspensas, reduzindo a poluição - isto é importante na redução dos gases efeito estufa. 
Nestes tempos de mudança climática e alagamentos urbanos, um telhado vegetal pode reter a água de chuva e logo ser esta ser absorvida pelas plantas, e finalmente será devolvida à atmosfera pelo processo de evapotranspiração. Com isto diminuímos a quantidade de chuva que chegar até a rede municipal de esgotos, evitando os problemas que acontecem com grandes chuvaradas.
Finalmente, um telhado vegetal tem um custo maior se comparado com um telhado convencional, mas as prestações são bem maiores: é um investimento, não uma despesa. Os telhados verdes são amortizáveis no meio e longo prazo. Nos países onde fazem sucesso, como a Alemanha, os Estados Unidos e o Canadá, eles desfrutam de isenções fiscais. Esta foi uma visão a olho de pássaro! Na próxima coluna, vamos ver o que se faz de bom no Brasil com os telhados vegetais.

COMENTÁRIOS

Seja o primeiro a comentar!

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.