ISAY WEINFELD ASSINA PROJETO NOVO E POLÊMICO

Edifício na Vila Madalena, em São Paulo, recebe críticas por seu visual bruto e cinza.

Quarta, 12 de março de 2014
Novos conceitos, quando inseridos em um ambiente tradicional, costumam causar impactos. Imagine então o choque que os moradores do tradicional bairro da Vila Madalena, na capital paulista, tiveram ao se deparar com o novo projeto do arquiteto brasileiro Isay Weinfeld, referência mundial e um dos profissionais com maior expressão que atuam no país, assinando projetos como o Hotel Fasano Las Piedras, a loja Carina Duek e a loja Havaianas.



Com uma arquitetura agressiva e arrojada, o seu novo edifício comercial, o Mix 422, é um dos poucos prédios em um bairro cheio de casas, bares e restaurantes, e impacta por seu visual externo. Construído em parceria com a Idea!Zarvos, o empreendimento possui uma arquitetura com personalidade que abriga 24 lofts comerciais com pé direito duplo, área de 70 a 219 m² e coberturas de 323 a 405 m². 



A fachada grafite de grandes dimensões com pequenas janelas nas laterais estão sendo criticadas pela população que vive na região, que está acostumada com a visão desempedida graças a pouca quantidade de edifícios no local. O polêmico prédio, ainda inacabado, corta de fora a fora um pedaço do quarteirão formado pelas ruas Fidalga, Aspicuelta e Fradique Coutinho e as reclamações ganharam as ruas e as redes sociais. Curiosidade: a Rua Fradique Coutinho é a mesma que abriga um dos projetos mais famosos e bem criticados do arquiteto, a Livraria da Vila.



“Paredão horroroso”, “verticalização que vandaliza a vista”, “descaracterização do bairro”, “agressivo” e “árido” são alguns dos adjetivos que o Mix  422 já recebeu. Em uma declaração, Weinfeld afirmou estar “completamente confortável” com a obra e que respeita a opinião das pessoas, lembrando que o edifício ainda não está pronto. 







Já Otávio Zarvos, sócio da construtora responsável pelo prédio, defendeu o projeto e ressaltou suas qualidades urbanísticas. De acordo com ele, apenas uma casa foi demolida para dar lugar à construção, que ocorreu em terrenos onde funcionavam estacionamentos. Além disso, segundo ele, suas três frentes, todas com cerca de apenas dez metros, serão abertas à calçada. Uma terá comércio no térreo, e a outra, um bicicletário - diferente dos edifícios murados e gradeados que não se comunicam com a rua.





Projetos arrojados que propõem uma nova estética desafiam e provocam a todos, que são obrigados a consultar e rever seus próprios padrões estéticos e de referências. Como consequência inevitável, reforçam a idéia de que “a arquitetura é a mais pública das artes" .
E você, o que pensa sobre isso? Dê sua opinião.  

COMENTÁRIOS

Lucas Ney Borges 10/04/2014 15h32

Sendo Isay conhecido por seu desprezo pela arquitetura paulistana, por reclamar que existe vários exemplos de estilos arquitetônicos por área, creio que ele possa ter se igualado ao seu ódio ao implantar uma obra tão grande e de certa forma agressiva em um bairro unifamiliar e de construções simples. Nas fotos apresentadas isso fica bem claro. Essa obra não condiz em nada com o local onde está sendo construída...

Lorena Taufick 18/03/2014 17h53

Acredito que não houve preocupação com o entorno inserido. É bem "pesado" a primeira vista,mas talvez quando estiver concluído possa causar elogios!

Isabela Augusto De Lima 18/03/2014 03h17

Achei Cool !!!!

Dominique Torminn Campedelli 15/03/2014 19h38

Tenho acompanhado os empreendimentos da Ideia Zarvos e acho sim, que existe uma preocupacao especial dos projetos arquitetonicos comerciais e residenciais no contexto urbanisticos que estao inseridos. Diferentes dos demais do mercado imobiliario , sao edificios despretenciosos,nao muito altos, elaborados por arquitetos brasileiros excelentes e que ao meu modo de pensar so tem agregado de forma positiva ao bairro!

Maianah 14/03/2014 00h39

Na minha opinião a Ideia Zarvos junto com o poder publico esta apagando a nossa memória c relação a Vila Madalena!! Uma pena!! Esta minando o bairro!! Lastima!!!!!

Maria A. S. Gomes 13/03/2014 18h00

Horroroso!! Trata-se de utilizar o máximo do terreno…. Uma agressão urbanística!! Vergonha a PMSP aprovar….! Cadê o Estudo do Impacto da Vizinhança? Quais as melhorias obrigatórias para minimizar a carga que virá deste empreendimento? Mais um escandalo da APROVE ???

Lidia Pandolfi 13/03/2014 14h57

Ousado porque dramatiza a feiura; ergue, como um troféu, a favela. Horroso porque fideliza a estética da comunidade. Contemporâneo pois é ambiguo, de duas faces.

Rosamara 13/03/2014 11h37

O problema não é a beleza ou feiura do edifício e, sim, a agressão que ele provoca no contexto do sítio. Em resumo uma boa ideia fora do lugar, muito comum quando o talento criativo se rende ao “predadorismo urbano”. Que pena!

Gustavo 13/03/2014 09h00

É feio, simples assim, parece uma jaca colocada numa barraca de morangos. Na minha opinião o senhor Isay não soube/quis/se preocupou em harmonizar seu projeto com os arredores. Um descaso muito triste na minha opinião.

Fred Adejar. 12/03/2014 16h14

Não resisti...rs! A questão principal, creio eu, não é a utilização deste ou daquele material de revestimento mais ousado ou agressivo. Levar essa questão para esse lado não seria a discussão, pois gosto é muito subjetivo. O que me chama atenção é aprovação desse projeto nessa quadra com residências unifamiliares. Ao que parece, são dois ou mais lotes que formam um "L" e uma quadra predominantemente residencial com casas de pequeno porte. Questiono sim o papel do município e das incorporadoras, que a qualquer custo, aprovam e constroem obras que descaracterizam e agridem de forma abrupta nossas cidades. Esse edifício deixa muito claro este tipo de comportamento. Cabe aí, uma discussão...E por último, o edifício me agrada e muito. Extrapolando, ele simula uma favela "chic", para não dizer uma "favela-penthouse", plantada sobre a cidade... e não sobre um morro...

Cecilia Werneburg 12/03/2014 14h51

Admiro os arquitetos que propõem desafios arquitetônicos, mas não a custa da ruptura total de uma identidade urbana!

Carlos Herbert 12/03/2014 14h35

Adorei o Projeto, o pessoal que mora nas casinhas da Vila que estão com dor de cotovelo. ( moro a 2 quadras e a obra realmente está linda)

Yeda Garcia 11/03/2014 23h52

Acho que o mestre Isay, na minha modesta opiniao, poderia ter tratado o volume do edificio de forma a deixa-lo menos agressivo a paisagem urbana. A escolha dos materiais que revestem a fachada nao foi feliz.

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.