AZULEJARIA PORTUGUESA: DA PAREDE PARA A SAIA

Moda e arquitetura se encontram num fino resgate histórico.

Sexta, 11 de outubro de 2013
A moda está sempre em busca de elementos e inspirações já conhecidos, e a arquitetura está na lista  das referências mais usadas por ser uma fonte rica, seja em estruturas, modelagens, tecidos e estampas. Aquela sensação de déjà vu pode acontecer quando você estiver em pleno verão e se deparar com uma estampa branca com tons azul cobalto, mas calma! Não é déjà vu, não. Você realmente conhece essa referência: a azulejaria portuguesa nunca esteve tão em alta.



Este material convencionou que encontrou em Portugal seu maior representante, tem a origem de seu nome no mundo árabe, azzelij (ou al zuleycha, al zuléija, al zulaiju, al zulaco) que significa pequena pedra polida, e já é visto em construções do Egito Antigo e da Mesopotâmia. Foi só na virada do séc. XV para o XVI que ele chega a Portugal, país com tradição na produção de cerâmica. Aqui no Brasil os tradicionais azulejos azuis portugueses podem ser encontrados com mais força em várias cidades do nordeste brasileiro, sendo as aplicações em fachadas em São Luís do Maranhão uma das mais famosas e que ajudaram o centro histórico da cidade a ser nomeado como Patrimônio Histórico da UNESCO.



Reza a lenda que eles eram utilizados para proteger as construções das intempéries do tempo, da ação corrosiva da areia e também para refletir o calor. Lenda ou não, a verdade é que várias construções com esse acabamento encontram-se em um ótimo estado de conservação, mesmo após mais de dois séculos.



Em um fino processo de resgate, a arquitetura contemporânea tem utilizado esse material em vários projetos recentes. Ele concilia charme, bom gosto e uma certa identidade, uma vez que faz parte de nosso patrimônio cultural.



Inspirados nessa onda, grandes nomes da moda como Valentino e Roberto Cavalli incluíram em suas novas coleções peças com este tema. E, após seu sucesso mundial, marcas de todo mundo abriram os olhos para essa nova tendência.




Coleção Valentino




Coleção Cavalli

As estampas são compostas por flores, arabescos e grafismos e reforçam a força que o azul royal vem mostrando há alguns anos na moda. Em entrevista sobre essa nova tendência, a estilista Gloria Kalil explica que esta é uma estampa fácil de usar durante o dia. “Não tem cara de algo sofisticado. A maneira mais fácil de usar é combinar com uma das cores do azulejo, ou seja, com uma peça azul lisa ou branca. É o jeito mais convencional, seguro e que não dá margem ao erro”, afirma. Tons terrosos e o vermelho são boas opções também para quem deseja ousar um pouco mais.
Para o verão de 2014, se prepare para ter o guarda-roupa invadido por essas delicadas peças em branco e azul! Confira a seleção que fizemos de roupas inspiradas nesses pequenos tesouros.



Coleção Farm





Fonte: Vogue

 

COMENTÁRIOS

Maria Soares De Arruda 02/12/2013 21h15

gostei muito, na minha cidade tem representante.

Flavia Delmonte 30/10/2013 18h26

Excelente reportagem...

* Campos obrigatórios. Seu email não será divulgado.